domingo, 9 de mayo de 2010

*Idiomas na ponta da língua*



Estado de Minas, 04/05/2010 - Belo Horizonte MG

 *Idiomas na ponta da língua*

 Este ano, o Enem traz prova de espanhol ou inglês. Se você não tem conhecimento, comece a correr atrás. Se já domina, não deixe para rever depois. Inclua exercícios regulares na planilha de estudos

Glória Tupinambás ¿Hablas español? ou Do you speak english?

A partir de agora, não vale mais “embromación” nem “enrolation”. Línguas estrangeiras
passam a ser decisivas para estudantes que vão participar, este ano, do
Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A novidade promete mudar a rotina de estudo dos 6 milhões de candidatos que devem fazer o teste marcado para os
dias 6 e 7 de novembro e que, pela primeira vez desde a sua criação, em 1998, vai exigir conhecimentos de outro idioma. O D percorreu salas de aula em busca de professores e alunos para comentar a mudança nas exigências do Enem e reúne aqui dicas para quem sonha em se dar bem na prova e depoimentos daqueles que temem pela cobrança e dos que dominam várias línguas e acreditam ser capazes de tirar o teste de letra.

A inclusão da língua estrangeira no Enem estava prevista desde o ano passado, quando o Ministério da Educação (MEC) divulgou a matriz de referência dos conteúdos para o teste. Mas, na última sexta-feira, o ministro Fernando Haddad confirmou, como noticiou o Estado de Minas, quais idiomas serão cobrados – inglês e espanhol – e outros detalhes do exame,
como a possibilidade de o candidato optar por apenas um dos idiomas na hora da prova e o fato de as questões estarem integradas à prova de linguagens e códigos do Enem. Na avaliação de especialistas em idiomas, a tendência é de
que o foco da cobrança do Enem seja a interpretação de textos e não a gramática pura e simples. “As questões devem testar o conhecimento dos alunos dentro de um contexto. Acreditamos que devem ser cobrados coesão textual, ou seja, a gramática aplicada ao texto, e muitos falsos cognatos, que são palavras semelhantes em duas línguas, mas de significados totalmente
diferentes”, explica a professora de espanhol do Colégio Bernoulli, Magali de la Flor. Segundo a educadora, a melhor forma de se preparar para os testes do Enem é investindo na leitura. “O ideal é acessar a internet e buscar textos de jornais e revistas em inglês e espanhol. Esse contato com os idiomas é fundamental para treinar a leitura e a interpretação”, acrescenta ela.

RISCOS

A inclusão das línguas estrangeiras no Enem 2010 foi recebida de maneira bem distinta pelos candidatos. Alguns estão de cabelo em pé com a novidade, temendo cobranças excessivas já que não tiveram a chance de frequentar cursos de idiomas e experimentaram o primeiro contato com as línguas apenas no colégio. E outros, com vários certificados internacionais
na gaveta e conhecimentos acumulados em intercâmbios, comemoram o inglês e o espanhol como favas contadas no exame. Realidades tão distintas acendem o sinal de alerta para o risco de se criarem regras pouco democráticas e excludentes do ponto de vista social. “Meu maior receio não é a dificuldade das provas, e sim a boa preparação dos demais concorrentes” , afirma Allan Michael Omena, de 18 anos. Candidato a uma vaga em medicina, ele diz que vai optar pelo espanhol por causa das semelhanças com o português. “Nunca fiz cursos de idiomas, porque são caros, e o inglês que aprendi só no colégio é um pouco fraco. Por isso, vou escolher o espanhol, que dá para tentar decifrar no bom e velho ‘portunhol’”,   brinca. Os medos de Allan são parecidos com  os de Mateus Gomes, de 21, que também não aprovou a novidade. “A mudança vai complicar nossa vida. Não sabemos qual será o nível de cobrança e isso nos deixa inseguros.” A estudante Ingrid Magalhães, de 17, não tem motivos para preocupações. Desde os 5 anos de idade, ela frequenta um dos melhores cursos de idiomas da
capital e hoje domina, com fluência, o inglês e o espanhol*. E para completar a boa formação, no ano passado, fez intercâmbio na Alemanha. “Assisto a filmes americanos sem legenda e leio muitos livros estrangeiros para poder praticar bastante. As aulas de inglês do colégio são a minha hora de relaxamento e acredito que não vou ter dificuldade no Enem. Num simulado do vestibular da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), errei apenas
uma questão”, diz.

TROCA DE DATA DO ENADE

Para não coincidir com o calendário de provas do Enem, o MEC anunciou ontem a nova data de aplicação do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), o antigo Provão. O teste será em 21 de novembro, às 13h, e é obrigatório para estudantes matriculados no primeiro e no último ano dos cursos de bacharelado em agronomia, biomedicina, educação
física, enfermagem, farmácia, fisioterapia, fonoaudiologia, medicina, medicina veterinária, nutrição, odontologia, serviço social, terapia ocupacional e zootecnia e dos cursos superiores de tecnologia em agroindústria, agronegócios, gestão hospitalar, gestão ambiental e radiologia. Mais informações no site www.mec.gov. br.

No hay comentarios:

Publicar un comentario